sábado, 7 de janeiro de 2012

A História dos Jardins Japoneses

Não há dúvida de que os japoneses têm um extraordinário senso de estética. Isto é evidente a partir de seus tradicionais e coloridos kimonos de seda, sua tendência em design de roupas modernas, as artes teatrais estilizadas de Kabuki, Noh e Bunraku e seus arranjos elegantes e simples, tais como o ikebana floral. 
Mas talvez esse sentido de estética não seja mais evidente em qualquer outra forma de arte, quando o assunto  é jardim japonês. A abordagem simples e minimalista, embora pareça restritiva em espaços compactos, desmente essa impressão com  resultados graciosos, fazendo do jardim japonês um lugar perfeito para contemplar a "existência da natureza" e a "natureza da existência". 
Para o visitante casual, um jardim japonês pode parecer apenas "um lugar bonito". Mas com apenas um estudo rudimentar, seus aspectos mais secretos são revelados, proporcionando uma apreciação mais completa do todo.
Jardins japoneses estão enraizados em duas tradições: uma tradição, nativa e pré-histórica em que trechos de floresta de cascalho ou praias de pedrinhas foram dedicados aos Espíritos da Natureza e uma tradição da China, que incluía elementos como lagos, riachos, cachoeiras, composições em pedra e uma imensa variedade de vegetação.Vamos nessa abordagem traçar o desenvolvimento e a mistura dessas duas tradições, bem como a inclusão de novas funcionalidades que permitiram aos jardins japoneses alcançar novos patamares de sofisticação.


Pré-histórico                                                                                 

O elemento precursor do jardim japonês foram as zonas santificadas - "os solos sagrados" -  claramente distintos do espaço normal ao seu redor por serem formalmente demarcados e respeitados. Estas áreas eram simples agrupamentos de pedrinhas (cascalho) , criados para cerimônias em honra aos espíritos que acreditava-se terem vindo do céu ou do outro lado do mar. Esses agrupamentos de pedrinhas, mais tarde evoluíram para os pátios de cascalho associados com casas de lideres religiosos e santuários xintoístas.

Nara Período (645-794)

Projetos de jardins formais foram introduzidos da China junto com o Budismo no século VII. As principais características destes jardins incluíam um lago com ilhas e agrupamentos de rochas.Estes jardins foram fortemente influenciados por seus protótipos chineses. Os jardins da Era Nara não existem mais, mas algumas pinturas ilustram sua concepção. Escavações recentes desenterraram perto de Nara uma prova da existência de um jardim com estilo de rio. Este estilo de jardim, caracterizado por um córrego sinuoso, permeado por afloramentos rochosos que culminavam ao final do seu curso em um lago. Nessa época, os jardins orientais desempenhavam um papel secular. A nobreza, com a ajuda de artesãos e jardineiros, construía elegantes jardins que caracterizavam ambientes para prazeres refinados.Muitas vezes, extensos em tamanho, estes jardins  demonstravam que a arte do projeto de jardim japonês já havia alcançado um nível de sofisticação admirável.

Período Heian (794-1185)

Como o contato e a influência chinesa foi limitada durante este tempo, o projeto dos jardins japoneses evoluiu de acordo com os gostos e valores da cultura japonesa, . Os  lagos que eram  inicialmente um componente menor, eventualmente tornavam-se uma característica dominante. Muitos lagos de jardim foram usados ​​para navegação de recreio em barcos com estilo chinês.                                                                                                                                  Jardins foram construídos em torno dos edifícios da corte imperial pelos aristocratas. Os jardins representavam o Paraíso e as delícias da vida na corte, principalmente para aqueles que ficavam do lado de fora. Os componentes dos jardins serviram tanto para fins funcionais e ostensivos quanto simbólicos. Rochas, árvores e plantas podem ajudar a apoiar um banco de barro. Mas, ao mesmo tempo, uma pedra, um conjunto de plantas ou uma ilha podem trazaer significados baseados nas lendas e simbologias existentes naquela época. Por exemplo, uma ilha em forma de tartaruga simbolizaria uma vida longa. Agrupamentos de rochas e plantas poderiam evocar referências poéticas para lugares famosos do Japão, como Matshushima. Para o observador culto, conhecedor de literatura e filosofia, os jardins eram um portal para lugares reais e míticos, bem como lugares distantes e próximos.                                                                                                                                        Durante o século XI, uma compilação de princípios de jardinagem apareceu na forma de um livro chamado Sakuteiki. O Sakuteiki é o mais antigo documento escrito conhecido sobre  jardinagem no Japão, contendo técnicas de jardinagem para constituir lugares que visavam o deleite da aristocracia do Japão.

Período Kamakura (1185-1333)

Duas doutrinas dominaram o período Kamakura, o culto aos Samurais e o crescimento do Zen Budismo como uma doutrina de orientação para monges e guerreiros. O Zen Budismo exerceu profunda influência  sobre as artes e a cultura japonesa, bem como as nobres técnicas de jardinagem  também se renderam à influência Zen.

Jardins evoluíram de área de lazer para alguns privilegiados até o status de algo mais profundo e significativo. O Pensamento Zen propôs o jardim como um auxílio à meditação - um ambiente de interiorização e meditação. Inicialmente, durante o início do Período Kamakura, os jardins ainda apresentavam muitas características construtivas do Período Heian, no entanto, ao longo do tempo, os jardins começaram a refletir diversas mudanças, impulsionadas pelo pensamento Zen. Um bom exemplo disso é o jardim de Tenryu-ji, construído em 1270. Este jardim inclui um grande lago situado no sopé de uma colina consistente com o estilo das Cortes  Heian. No entanto, os afloramentos de rochas ao redor da lagoa são decididamente mais verticais do que seus antecessores que buscavam a horizontalidade.                                                                       Durante o período Kamakura, a corte imperial perdeu popularidade, devido à sua baixa popularidade junto ás camadas mais pobres e deu lugar à nova classe guerreira (os Samurais). O Zen ensina uma filosofia de austeridade, com desejos simples e metódicos, onde a opulência da antiga nobreza pouco importava. A impotência da corte imperial em Kyoto representou claramente a fraqueza criada por sua própria extravagância e ostentação. Em consonância com o pensamento Zen, a partir do século 14, o número de materiais utilizados nos jardins diminuiria sensivelmente em comparação aos extravagantes jardins de prazer secular criados pela nobreza da Era Heian. O objetivo principal desses jardins Zen que buscava a simplicidade em seus elementos era o de auxiliar à Meditação.

Período Muromachi (1392-1573)

O período Kamakura viu a ascensão dos clãs Minamoto e Hojo, que estabeleceram um Shogunato em Kamakura, perto de Tóquio. No entanto, devido aos problemas econômicos, as alianças entre facções opostas de políticos e militares e a própria decadência ocorrida dentro desses clãs fez com que perdessem o controle do Japão, pouco tempo depois de tê-lo assumido. E no final do século 14, a base de poder mudou mais uma vez.                                   O clã Ashikaga acabou cedendo o governo Kamakura aos novos governantes que regressaram a Kyoto.Junto com essa mudança de poder,ocorreu outra mudança na estética do jardim. O período Heian, em homenagem às glórias do passado, promoveu o apogeu da arte e da cultura japonesa. Ao mesmo tempo, a simplicidade do jardim Zen atingiu o seu auge. A evolução e a popularidade resultantes da cerimônia do chá influenciaram na existência de jardins que configuraram-se em verdadeiros  retiros do mundo cotidiano. Se restrito a rochas e areia, ou com direito a maiores ostentações em seus elementos, os jardins do período  Muromachi produziram algumas das formas mais originais de jardins de todos os tempos, incluindo os jardins passeio, os jardins secos e os jardins de chá.


Os Jardins de Passeio
Enquanto que os Jardins Zen eram projetados para facilitar a meditação, obrigavam o observador comum a permanecer do lado de fora do jardim. Os novos Jardins de Passeio Muromachi,  eram muito mais  parecidos com seus antecessores do período Heian, voltando a trazer os telespectadores para o jardim em si, em vez de confiná-los a uma simples varanda. O Jardim Muromachi não deveria ser observado de um único ponto e sim explorado, atravessado, inalado, ouvido e apreciado de muitas maneiras diferentes.Juntamente com as paisagens ricamente plantadas, este projeto surgiu como uma forma de jardim principal. Dois dos melhores exemplos de  jardim do período Muromachi são Kinkaku-ji (Pavilhão de Ouro) e Ginkaku-ji (Pavilhão Prateado).
Os Jardins Secos (ou Jardim Zen)
Em contraste com a diversidade de materiais empregados nos jardins de passeio, encontraremos a simplicidade do jardim Zen seco. Enquanto os jardins secos já existiam anteriormente, ao longo dos séculos, muitos dos jardins hoje considerados os melhores representantes da estética Zen, são um produto desse período.
Ryoan-ji
Ryoan-ji
Durante este período, muitas ordens  religiosas estenderam seu tamanho e influência, agrupando várias sub-templos sob a jurisdição de um abade único. Os recintos murados eram normalmente pequenos, com pouco ou nenhum espaço para o crescimento. Embora o espaço para jardins fosse pequeno, poucas formas de jardim  podem rivalizar com o jardim seco, por seu senso de universalidade entre quatro paredes. Ryoan-ji e Daisen-in (um templo de sub-Daitoku-ji), são os principais representantes deste tipo com a sua areia/cascalho precisamente delineada  e pedras agrupadas de forma dinâmica e intrigante.

Tea Gardens

Acompanhando a crescente popularidade da cerimônia do chá, desenvolveu-se um jardim com vistas a aprimorar essa experiência. A princípio, apenas um quarto de uma casa ou templo foi dedicado à cerimônia, mas com o tempo esse quarto tornou-se uma casa isolada. O jardim de chá, ou roji, diferia de outros jardins na medida em que conduzia ao ritual do chá. Era portanto um veículo que transmitia mais do que uma paisagem elaborada, por si só. O roji conduzia os convidados, após um dia de trabalho à cerimônia do Chá. Esse jardim apresenta conceitos  mais formais e elaborados, que revelam a complexidade da aparente simplicidade de elementos estruturais, que conduzem os convidados à Casa de Chá.

Do período Edo (1600-1868)

O Período Edo marcou outro estilo de governo, que dessa vez, ao contrário de outros governos militares, chegava para ficar. Depois de um Japão unificado, Tokugawa Ieyasu e seus sucessores promulgaram leis, formas de política e cultura que consolidaram definitivamente o seu controle sobre o Japão. Eles criaram uma organização social semelhante a dos antigos senhores feudais do Japão.                                                                                                                                               Mais uma vez, os designers de jardins do período Edo viraram um olho para o passado.Usando o período Heian e seus jardins paradisíacos como base, os jardins do período Edo mantiveram a tendência de envolver os participantes no jardim, enquanto que algumas vezes, manipulavam os participantes usando novas técnicas criando os efeitos desejados, incluindo abordagens diagonais, a técnica de "esconder e revelar" e shakkei ( a técnica de tomar emprestado um cenário fora dos limites do jardim).

Abordagens Diagonal

Ao contrário dos componentes de um jardim ocidental, que são abordados frontalmente, os componentes do jardim japonês deste período foram abordados obliquamente, ou na diagonal.Quando vistos dessa forma, dentro do jardim, os componentes parecem menos um destino e mais uma característica da paisagem. O jardim de Versalhes, criado durante este período, é um exemplo de projeto do jardim usando linhas retas e geometria exata ao extremo.Este estilo de jardim manifestou o poder do rei sobre a Natureza e as pessoas. O modelo da Natureza nos jardins japoneses desta época foi a própria Natureza.


Esconder e Revelar

Esconder e revelar a atenção fixa sobre um item como um estágio em procissão contínua.Ao invés de seguir uma linha reta, o caminho vira; primeiro à esquerda para apreciar uma árvore, depois a direita para vislumbrar um agrupamento de rochas que termina num lago espraiado. Uma colocação irregular de pedras  no caminho obriga os convidados a olharem para baixo para verem os seus passos. E quando eles olham para cima, uma nova visão se desdobra.Montanhas, cercas ou árvores e outros itens que propositalmente foram adicionados ao jardim para bloquear a visão de uma determinada área do referido jardim até que o observador se mude para o ponto de visualização seguinte.


Cenário Shakkei ou Emprestado

Shakkei, ou Cenário Emprestado,foi usado durante o período Edo, com resultados dramáticos, apesar de sua base enganosamente simples. O jardim ocupa o primeiro plano da vista. Cercas podem surgir repentinamente no solo obstruindo a visão de uma casa ou outras características inadequadas a fim de efetuar uma transição suave do primeiro plano para os recursos do fundo. O pano de fundo distante é incorporado ao projeto do jardim quase como se tivesse sido criado para esse fim exclusivo, fazendo o jardim parecer maior. Em outras palavras, os designers do  jardim japonês utilizavam a perspectiva, assim como os pintores do Renascimento na Europa.


Tempos Modernos  
Depois da guerra, os programas 

governamentais foram
criados para reconstruir a indústria e a 

habitação, deixando
pouco financiamento para fins recreativos. 

Designers de
jardim do pós guerra, tinham poucos materiais para trabalhar.
Mas muitos fizeram o melhor que podiam em cada situação.
Um exemplo perfeito disso é a Tofuku-ji.
fonte: www.samuraitours.com
Posted on October 21st, 2011 by mike

A seguir, baseados nos conceitos de Iwagumi (antiga arte
oriental de colocação de pedras em jardins japoneses), que
atualmente também é utilizada por Aquaristas experientes
que seguem o estilo Nature Aquarium, postamos algumas
imagens que demonstram  diversas formações 

rochosas utilizadas durante o processo de formação 

e crescimento
da técnica de montagem de Jardins Japoneses.
fonte das imagens - domínio comum - Internet


Material traduzido e adaptado por Aquablog.

Espero que tenham gostado.

Seu Editor Aquablog.





8 comentários:

EWALDO disse...

Olá Lescan,boa noite!

Vi sua matéria sobre a construção de uma estufa para criação de lebistes, estou pronto para realizar o desejo de meu filho.ele optou pela filtragem dry/wet, mas no projeto não consigo visualizar a parte hidráulica. Poderia nos ajudar?Fico grato desde já! Parabéns pelos artigos! Nosso e-mail é:
ewaldomarques@gmail.com

Lili Nagao disse...

muito legal o posto! bem completo mesmo!

Aquarismo disse...

Olá coloquei seu blog no meu site para que os meus visitantes possam acessar. gostaria de propor uma troca de link. visite e veja: www.aquariors.com

Lescanjr disse...

Ewaldo,

Assim quwe sobrar um tempinho vou projetar alguma coisa específica para a sua estufa. Obrigado pela participação.

Lescan

Lescanjr disse...

Lili Nagao,

Um elogio vindo da família Nagao, com toda sua tradição em cultivo de raras e belíssimas plantas para jardins japoneses é uma imensa honra. Obrigado de coração pelo apoio. Isso sempre nos motiva a querer melhorar cada vez mais...
Lescan

Lescanjr disse...

Aquarismo,

Assim que tiver um tempinho visitarei seu blog, lerei os artigos e colocarei o link. Está um pouco corrido agora...tenho viajado bastante a trabalho e só acesso a web em hotéis.

Lescan

EWALDO disse...

redledObrigado Lescan!!!!
No aguardo
Ewaldo

Adriana Fogaça disse...


Olá, como faço pra te retribuir? Parabéns pelo conteúdo, era tudo que eu tava procurando.

Comprar Grama, Gramas, Grama Esmeralda, Grama Esmeralda Preço, Grama Batatais, Grama Batatais Preço, Grama São Carlos, Grama São Carlos Preço, Grama Bermudas, Grama Bermudas Preço, Grama Coreana, Grama Coreana Preço, Grama Santo Agostinho, Grama Santo Agostinho Preço, Grama para Jardim, Como plantar Grama.